[:pb]Mais uma vez nos deparamos com uma nova e importante onda de migração para o mercado livre de energia, que iniciou-se no último trimestre de 2018 e continuará no início de 2019. Essa movimentação já era aguardada pelo mercado, uma vez que normalmente no início do período úmido, com a chegada das chuvas, a tendência é ocorrer uma redução nos preços de longo prazo.

Historicamente, as ondas de migrações ocorriam por motivos já conhecidos e que também já foram debatidos neste blog, como os preços mais atrativos do Ambiente de Contratação Livre (ACL), quando comparados às tarifas no Ambiente de Contratação Regulado (ACR); os reajustes médios tarifários altos das distribuidoras de energia (por exemplo, em 2018, ocorreram diversos reajustes acima de 12%, como: CERON, Eletroacre, CEPISA, ENEL Goiás, EDP, CPFL Piratininga, Elektro, entre tantas outras); e  os benefícios do Mercado Livre de Energia para a Previsibilidade Orçamentária, a Liberdade de Negociação, o Poder de Alocação de Energia, o não-pagamento da Bandeira Tarifária e mesmo preço de energia no Horário de Ponta e Fora Ponta.

No entanto, nesta nova onda que está ocorrendo atualmente, estamos nos deparando com um motivo novo para migração para o Mercado Livre de Energia, que está intrinsecamente ligado com a a situação econômica do País nos últimos 4 anos. Com a economia brasileira estagnada, as empresas perceberam que fazer parte do Mercado Livre de Energia não era mais uma vantagem competitiva, e sim uma questão, até mesmo, de sobrevivência, uma vez que muitos dos seus concorrentes já estavam usufruindo dos benefícios desse mercado. Ou seja, migrar se transformou em em um fator determinante para competir em um mercado tão desafiador.

Essa percepção tende a ocorrer cada vez mais. Quanto mais empresas migrarem para o Mercado Livre de Energia, maior será a competição, e, por consequência, a decisão de migrar não será motivada somente pela redução de custos, mas, sim, por uma decisão estratégica para que uma empresa possa competir em seu mercado, nas mesmas condições de seus concorrentes.

Portanto, se sua empresa ainda não migrou para o Mercado Livre de Energia, pare por um momento. Analise, avalie, reflita e aproveite essa nova onda de migração. Seu concorrente provavelmente já está usufruindo dos benefícios desse mercado ou está realizando os estudos para a migração.

 

Nossos profissionais estão prontos para auxiliá-los nesta tomada de decisão. Quer ir além do economizar? Junte-se a Ecom Energia, clique aqui para falar conosco.

 

[:]