No 20º episódio do podcast Giro Energia, patrocinado e desenvolvido pela Ecom Energia, vamos falar sobre a segurança do mercado livre e as novas regras de comercialização, temas que têm ganho importância com o avanço do PLD Horário e dos derivativos. Em novembro, a CCEE deverá lançar uma nota técnica com sugestões de regras de aperfeiçoamento do mercado de comercialização. Enquanto a BBCE trabalha na regulação dos primeiros contratos de derivativos. Nesse contexto, a gestão de energia ganhará ainda mais relevância. Então, para entender as oportunidades, entrevistamos a conselheira da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rose Santos, e o presidente da BBCE, Carlos Ratto. Continue lendo para saiber o que cada um deles a têm dizer sobre esse assunto.

CCEE e as novas regras de comercialização

Desde 2019, os agentes, a CCEE e a Aneel discutem regras de aperfeiçoamento do mercado de comercialização. A conselheira da CCEE, Rose Santos, explica a importância do tema e como a CCEE vem atuando. “Nesse momento, a CCEE está se reunindo e conversando com os agentes dos diversos elos da cadeia. Comercializadoras, consumidores livres, geradoras. A intenção é que esse processo seja todo participativo e que as regras sejam feitas por todos, nada imposto. Vamos concluir essas reuniões em outubro e aí em novembro lançaremos uma nota técnica sobre o tema. Aí a Aneel seria ainda mais envolvida nessas discussões e poderíamos avançar com isso no início do próximo ano”, explica.

O mercado de derivativos

Nos próximos meses, outra novidade que estará presente é o mercado de derivativos, que poderá criar opções de proteção contra as oscilações de preço para consumidores e comercializadoras. O segmento observa a discussão da CCEE e também está aprimorando suas regras, que estão sob supervisão da Comissão de Valores Mobiliários, a CVM. Em seguida, quem explica é o presidente do Balcão de Comercialização de Energia Elétrica (BCEE).

“Não temos uma data fechada ainda de quando serão lançados os primeiros contratos de derivativos, mas estamos trabalhando em ritmo acelerado de testes. Não temos interesse em empurrar em 2021, se tudo estiver concluído nesse ano iremos lançar nesse ano”, destaca. Sobre as discussões dos agentes e a CCEE, para o aperfeiçoamento das regras dos contratos na CCEE, Ratto afirma que tem acompanhado de perto. “O mercado físico é o mercado em que os registros são feitos na CCEE. O mercado de derivativos é feito com base na legislação da CVM, por não ser um contrato com entrega física de mercadoria. A gente tem acompanhado essa discussão de perto porque os dois mercados são importantes e estão ligados. É importante que haja uma discussão ampla e que a autorregulação seja aplicada, que o próprio mercado possa melhorar as regras e aperfeiçoar seu funcionamento”, complementa.

Sobre o que mais esses especialistas discutiram no Giro Energia?

Portanto, pelas entrevistas pudemos ouvir que o mercado está avançando nas discussões de aperfeiçoamento das regras de comercialização. O PLD Horário e os derivativos tornam o mercado mais sofisticado e complexo, o que, por exemplo, exigirá que as regras se adaptem aos novos tempos. A transparência será ainda mais relevante.

De fato, esse novo momento traz muitos desafios e oportunidades. A gestão de energia se torna ainda mais importante para que comercializadoras e clientes possam ter uma relação de ganha-ganha nos próximos anos.

  • O mercado está mesmo chegando à idade adulta?
  • A autorregulação para as novas de regras comercialização terá sucesso?
  • Quais oportunidades e contratos serão criados com o PLD Horário e os derivativos?
  • Novos tempos chegaram para valer no mercado livre?

As respostas para essas perguntas estão no Giro Energia! Ouça agora: